ensimesmamentos

Subitamente ouço-me como se estivesse de fora, e espanto-me com o que digo. Há muita maldade no tom, no som e nos significados que atiro. E tudo isso é algo de inexplicável. Os sentidos que a princípio ainda quero transmitir transformam-se rapidamente em interjeições, e estas diluem-se numa mole de alaridos indecifráveis. Não há nada que possa justificar este vento de fúria com que arrojo as palavras que intercalo com sílabas cada vez mais ásperas, como se assim melhor pudesse embrulhá-las em vírgulas para depois as lançar, mais escamosas, mais acutilantes, nesta minha estouvada gritaria.

Só muito mais tarde, quando já pouco ou nada posso fazer e me deixo envolver na ressaca de um conjecturável manto de silêncio, é que começo a decifrar, lenta e custosamente, o estupor que em mim vesti. Olho em redor e já nada me rodeia. Estou finalmente onde quero, no meio dela, dessa penumbra de gente. Mas se são tantas as vezes em que preciso de me envolver nesse negrume, se é irrefreável esta necessidade que me impele para o vazio, o desabitado, quando deveras anseio pelo descanso, porque continuo então a apedrejar os sentimentos desprevenidos com que os outros, incautos, me tentam ainda tocar?

Como é possível que ainda não tenha encontrado outras formas mais delicadas de os afastar, aos outros, quando preciso de me conduzir para a solidão? Que tão certo como a ela recorrentemente procurar, é dela sempre querer retornar. E para encontrar os outros, a vida, do lado de fora do negrume com que me rodeio e do qual invariavelmente volto a querer partir, é necessário que por lá ainda esteja alguém, alguém que …, apesar de …, ainda segure a candeia que me orientará no caminho de volta à normalidade. Porque mesmo esquecendo-me dos outros, neste ir e vir, só serei homem enquanto os outros não desistirem de mim.

 

 

Pois cada vez mais me repito e de cada vez mais perto me chegam essas repetições. Isso deve querer dizer da angústia. Essa que faz crescer a necessidade de me repetir, e nisso maior urgência em escrever as coisas que preciso repetir. Falta-me espaço em mim. Mas para quê?, para no fim dizer o mesmo, coisa de redobradas escusas?


4 responses to “ensimesmamentos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: