a rapariga loura da livraria dos restauradores

 

Há muito tempo que nada linko – vou simplesmente lançando prosa eremita neste espaço de cercas altas onde me realojei há quase dois anos e ao qual comecei por suprimir ligações internaúticas e outra aparelhagem estatística. Fugia então do barulho, das interligações desproporcionadas, de um propósito generalizado de socialização virtual que no meu caso não era pretendido, e depois, das absurdas e claramente excessivas manifestações de afecto e proximidade de pessoas a quem nem sequer conhecia a cara. E porque o que aqui me continua a prender ainda é a escrita situei-me (sitiei-me) aqui na esperança de não voltar a sentir o gozo do escrever ser de novo escravizado pela necessidade compulsiva de me sentir lido.

Mas nada tenho contra os links, o link-vereda entenda-se, esse que nada tem a ver com as auto-estradas de leitores e reciprocidades com que se faz trânsito nesta blogosfera sábia, orgulhosa e barulhenta a que nada tenho para dar. De entre estas veredas que por vezes daqui se lança o Ma-schamba do Zezé irá ser(me) sempre o primeiro espaço a sugerir aos meus escassos visitantes. E este seu post não poderia impor melhor razão para ser linkado. Não porque eu seja um devoto leitor do João Ubaldo Ribeiro mas porque não poderia perder a oportunidade de, mesmo que traficando as palavras dos outros, lamentar a minha (quasi)eterna condição de obcecado pela rapariga loura.

Anúncios

27 responses to “a rapariga loura da livraria dos restauradores

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: