das prendas de natal

pista

Intróito:

Desde que me lembro os desejos do Diogo quanto a prendas de Natal  sempre foram algo bizarros mas muito pormenorizados. Recordo-me que de entre estes já quis um peixe sem problemas, um gato, um cão, uma lebre e até um tigre para adoptar. Depois, com o crescer, a sua lista foi perdendo expectativas quanto à reprodução do mundo animal lá em casa e foi-se restringindo a desejos mais materiais que repete de ano para ano com ilimitada perseverança e que redundam num carro telecomandado, nuns jogos para a playstation e numa pista de carros. Este Natal a prenda mais ofuscante que o Diogo recebeu foi a pista de carros. Como referi, era anseio desde pequeno, mas era também um desejo traçado por alguma infelicidade. Na verdade esta já é a terceira pista que recebe. As duas versões anteriores morreram no próprio dia de natal ou pouco depois, estraçalhadas nas mãos impetuosas dos primos mais novos ou debaixo de algum sapato trapalhão de … cof cof … um pai. Até à data a qualidade do brinquedo também não ajudou pois que as versões anteriores eram mais próximas dos brinquedos de plástico indiferenciados do que desse universo entusiasmante (sei-o agora, por razões que já adiantarei) das esmeradas e orgulhosas pistas de corrida à moda antiga. O infeliz rapaz nesta matéria acabou por ser duplamente vitimado já que não só foi perdendo os seus nados-mortos presentes favoritos como foi ouvindo ao longo dos anos o recalcitrado argumento de “mais uma, para acontecer o mesmo que às outras!?”

Mas este ano, alterado o sistema contributivo dos presentes na família, coube aos pais aplicar em prendas o ‘plafond’ recolhido da contribuição dos outros familiares, o que permitiu alvejar presentes mais interessantes que de outra forma seriam inalcançáveis com orçamentos retalhados. Posto isto, achámos que seria uma boa oportunidade para mais uma vez tentar cumprir-lhe a fantasia das pistas de carrinhos eléctricos (no tempo da playstation, um jogo que não seja mero cenário virtual, na cabeça de um miúdo, começa de facto a ser uma aspiração de encorajar). Desta vez, bem aconselhado, fui ao “corte inglês”. Lá chegado, fiz como costumo quando preciso decidir algo para comprar sobre o qual pouco ou nada conheço: deixei-me ficar por ali, olhando, comparando, cirandando, habitando aquele espaço com ar atrapalhado à espera da inevitável intercepção que nestas condições acabará sempre por acontecer. Saiu-me um vendedor de uns 40 anos com um brilhozinho nos olhos que não enganava – era este mesmo quem eu procurava, uma criança disfarçada que tinha escolhido como profissão vender o seu brinquedo preferido de sempre. Fui ouvindo das suas razões apaixonadas que a melhor já nem era a SCX, mais cara, mas a Ninco, da qual há anos ele era devoto adepto. Estávamos os dois neste plano de considerações e nisto junta-se a nós outra criança, espontaneamente, como só as crianças sabem fazer quando o assunto que rola é diversão. Teria também ele perto da nossa idade, a barba por fazer, com tiques de executivo mas vestido com ganga de fim-de-semana. Nova cara, novas sentenças. E que o desculpassem mas que vinha discordar, que a SCX até já era digitalizada (fica já agora a saber o estimado leitor que a digitalização destas pistas não tem a ver com nenhum processo alquimista de as desmaterializar em corridas de computador, mas tão simplesmente na capacidade de controlar em apenas duas vias um número quase ilimitado de carros) e que … mas que não – interrompia logo o outro – que a NINCO também já tinha um kit para ser digitalizada e que no fim sairia mais barato até. Desta fervorosa discussão fui bebendo tudo e quando saí com um enorme embrulho debaixo do braço tinha a consciência de que não só levaria a prenda acertada como me tinha tornado um quase especialista da coisa.

Quando o Diogo a recebeu não só foi presenteado com o brinquedo desejado como ainda teve direito a um rol de explicações catedráticas sobre o mister do hobby (pois, que agora já eu, erudito no assunto, o considerava mais que brinquedo), das quais importaria reter que aquela pista era apenas o início de um investimento que, assim ele quisesse e pudesse, se poderia ir cumprindo cada vez com mais lanços de estrada e gingajogas até infestar o chão de toda a casa num enorme emaranhado de rectas, curvas, pontes e cruzamentos de via e … enquanto isto, os nossos olhos brilhavam, e certamente os dos dois ‘miúdos’ que lá na loja havia deixado. Face a isto, ainda nem a tinha montada e já tinha compreendido que a pista que lhe era oferecida era apenas a primeira etapa de uma construção babilónica que, a ser pretendida, teria de ser resgatada de várias prendas futuras. E logo a pensar nisso, que o dia de anos anda por aí já tão perto.

 

(…)

Manhã do dia 26 de Dezembro, hora do acordar, tardia já. A persiana levantada para um dia frio mas ensolarado. Eles ainda estremunhados, encaracolando-se no calor dos lençóis. Eu, junto à janela, rabiscando no computador deles onde mais tarde guardarei estas notas. Seguindo uma estratégia ensaiada há largos anos mantenho com os dois um diálogo solto, o qual vou pigmentando de perguntas como forma de os obrigar a reagir e assim se trazerem, ainda que arrastadamente, para o mundo dos acordados. Passo a reproduzir a troca de palavras com o Diogo, o da cama de cima do beliche.

– Já estás acordado Diogo? Vamos, são horas.

– Mais ou menos pai. Estou a sonhar.

– Ah. Estás naquela fase boa em que já conseguimos ir participando no nosso sonho? É como se pudéssemos ir inventando uma história escrita por nós mas sem sabermos o que se irá passar, não é!?

E os dois concordando, ainda que de forma ininteligível de ruídos ensonados, seguramente a experimentar nesse momento o sono morno de que lhes falava.

– É a altura em que todos somos heróis não é? – adianta o Francisco já mais composto. Risada geral.

– Diogo, e pode-se saber que super-herói estás a ser no teu sonho? – Já mais que estratégia, trazendo também curiosidade, esta minha pergunta.

– Oh pai, eu ainda não acordei bem …

– Eu sei, por isso é que quero saber. Se já estivesses acordado o sonho já teria desaparecido.

– Mas eu não estou a ter nenhum sonho de herói. Deixe-me ficar na cama mais um pouco, vá lá!…

– Não estás?! Mas então o que sonhas tu? O que pode ser melhor que sermos o super-herói dos nossos sonhos?

E ele, ainda de voz entaramelada mas já acicatada por alguma irritação, algo desgastado até de ver o sonho esvair numa consciência que eu irritantemente acordava, lá nos foi revelando:

– Estou a sonhar que … estou no “Corte Inglês”. A comprar bocados de pista.

 

Registe-se para memória futura, na ressaca do Natal de 2008.

Anúncios

14 responses to “das prendas de natal

  • cat m

    BESTIAL!!!! Ah que miúdos giros esses. Todos três, diga-se. E que post maravilhoso, caneco!

    Gostar

  • cat m

    (também gosto muito do Corte Inglês btw :DDD)

    Gostar


  • calma lá Cat que eu ainda estou a aperfeiçoar os moços, ai, queria dizer: o post

    (olha que novidade me dás. este mês vou passá-lo no ikea, já viste a minha sorte)

    Gostar

  • Rita

    Fofinho… Boas corridas!

    Gostar

  • cat m

    Ah já não me lembrava daquela lista dele (ós anos, caneco) era fantástica! tadinho do menino, esperar este tempo todo por uma pista que pudesse usar quando o pai não estiver ocupado com ela…a fazer de mister, pois tá claro. ;)

    (ah Ikea em saldos, lembras bem! Ainda só fui à Zara Home…)

    Gostar


  • Zara Home?? hummm …

    Obrigado Rita, espero que sim … quer dizer, vou transmitir ao Diogo

    Gostar

  • cat

    (Ó Eufigénia, tá cheia de coisas giras a Zara Home, despacha-te melher, que hoje já é o segundo dia de saldos!)

    [desculpa lá, Zé, isso aí em cima era só eu a desejar um bom ano à Eufigénia]

    Gostar


  • Porque presumo que continuará sem muito saco para acompanhar esta coisa dos debruados de letras que por aqui se continua a fazer, e apesar de ter consciência do quão negativamente isso poderá influenciar a minha vida dos próximos tempos, já fiz seguir a mensagem para a Eufigénia.

    Gostar


  • Já agora quero acrescentar que essas insinuações que aqui se reproduzem nos comentários sobre o aproveitamento que eu faço dos brinquedos do miúdo são maliciosas. Aliás, tenho sido vítima desses juízos abusivos e nunca provados desde há largos anos na família. Recordo-me particularmente da vez em que entusiasmado comprei uma nintendo ao Francisco e fui logo acusado de o estar a fazer para mim. Como se fosse razoável sequer admitir-se um pai que aproveitaria argumentos desses à custa de um miúdo de …cof cof … 2 anos.

    (o supermário-kart era uma delícia – ainda hoje tenho o record da volta mais rápida)

    Gostar

  • Visconde de Vila do Conde

    Caramba, Zé, escreveres assim um post deste quilate, coisa para me fazeres recuar umas três (ok, eu sei, não parece…) dezenas de anos e imaginar-me voltar a carregar nos comandos do carro, a abrir a carcaça do carro e a meter pastailha elástica nas portas (para dar mais estabilidade, claro), a substituir a malha metálica de alumínio que ligava o carro à pista por outra malha por outra malha, de cobre (mais condutora, evidentemente…).

    (Há lá coisa melhor que uma pista de carros oferecida pelo próprio pai? Não, não há…)

    Gostar


  • Ainda que mal pergunte estimado Visconde, o meu amigo faz consultoria nesta complexa área do lazer?

    Gostar

  • alexandra

    Ninco, Carrera… eu sei bem o que isso é lá em casa desde há 1 ano: o pai voltou a aficionar-se e arrastou o filho. Já viví cenas assim: Ele: tens verniz das unhas transparente? Eu: ??? Ele: é para pôr nas rodas dos carros para…(já não recordo bem, creio que era para causar menor atrito…)
    Agora há um parque automóvel impressionante lá em casa nas prateleiras pelo meio dos livros, 2 caixas de ferramentas (têm que desmontar os imãns dos carros que só os principiantes correm com eles, desmontar os carros para os calibrar, etc, etc)
    Depois há as corridas de resitência, as dos Clio, as do raio-que-os-parta, ele é no Cartaxo, no Cacém, em Odivelas, Mafra e Beloura e a última é a de que mesmo ao lado do nosso apartamento em Madrid há um club do melhor e as nossas corridas são imitação das deles e se tentássemos este ano fazer as 4 lá: Barcelona, Zaragoza, Madrid e Gandía, era fixe não? A de Barcelona é a 1ª e lá pelo Carnaval e ósdepois dávamos um salto a Andorra e faziamos 3 dias de ski, assim tu gostavas não era fofinha?…

    Estendi-me no comento… Se quiser consultadoria ofereço, por eles, pois já há mais 2 amigos com pistas e tudo o mais à custa deles
    PS-a festa de aniversário do D. este ano foi numa dessas pistas com os amigos, UM SUCESSO!

    Gostar


  • Alexandra, temos de falar !!!! …

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: