mais uma vez, uma vez mais

Admiro as pessoas capazes de zombarem com as rotinas e que à morna dormência do dia-a-dia preferem o desconhecido. Admiro aqueles que não disfarçam o incómodo, que não ziguezagueiam em escusas, que conservam a lucidez suficiente e corajosa para saberem quando devem começar de novo e lançar-se por novos destinos. Admiro quem é capaz de enfrentar o estranho com a mesma segurança com que eu me movo no que me é familiar e quando o faz se lança com mais ímpeto ainda do que eu me atrevi na primeira vez. Admiro as pessoas que depois das cabriolices que a vida nos reserva são capazes de aparentar a mesma pujança e a mesma expectativa de sempre. Porque usar assim a ilusão para afrontar a vida não é uma ingenuidade, é cultivar a resistência, é saber procurar o nosso lugar mesmo que no meio da adversidade. Admiro esses que têm neles o fôlego para sempre mais uma braçada e que olham para as encruzilhadas como mais uma oportunidade. Mas sobretudo admiro aqueles que sendo assim, temerários, inquietos, insatisfeitos, ousam recomeçar tudo de novo, uma e outra vez, tantas quantas forem precisas [e já foram tantas (!)] com o mesmo olhar entusiasmado de sempre e o sorriso mais contagiante do mundo.

Admiro-os porque são eles, sendo-me próximos, que me fazem acreditar que em cada um de nós há sempre as réstias para ser homem de novo, para ser um homem novo, erguendo-se acima do destino.

(readaptado de um escrito de 2006)

Anúncios

18 responses to “mais uma vez, uma vez mais

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: