propósitos e intenções, só enquanto o acaso dorme

Era um homem sisudo, metido consigo mesmo e pouco dado a grandes estertores públicos. Apesar disso – e mesmo que nem fazendo ideia das suas poupadas mas ainda assim elogiadas capacidades na escrita – resolveu um dia, já para mais de 6 anos, criar um blogue.

Desde então escreveu e escrevinhou, coleccionou e arquivou, rebateu e contradisse uma imensidão de textos seus, para mais de dois milhares. E foi tal a genica dessas elucubrações que se esse aparo com que enchia o espaço virtual tivesse espessura de tinta caligráfica certamente lhe daria para atestar páginas suficientes de um livro, este de dimensão até bastante honrosa. Mas nunca o fez, nem pretendeu fazer, pois que esta, dizia e repetia, nunca fora a sua intenção. A razão de manter um blogue encontrava-se subjugada a um único intuito e todas as exaltações por onde a sua escrita passou, afinal, tão só pretendiam fazer cumprir o mesmo:   que ela um dia o comentasse!

Passaram-se anos e os seus textos, ora mais empolgados ora mais desinteressados, conforme as marés da alma, continuaram a escrever-se quase sozinhos, escondendo sempre a secreta expectativa de que um dia, mesmo que remotamente, pudesse um vento do acaso trazer a uma das suas caixas de comentários uma, e ainda que breve, palavra dela. Contudo, nada, nunca. E os textos continuaram a escrever-se e o blogue, ainda que quase moribundo, continuou a desenrolar-se no éter da sua expectante idealidade e ele, já quase deslembrado do intuito inicial, continuou a cacarejar, ainda que cada vez mais sem nexo e espaçadamente.

Até que um dia, quase por mero acaso, acabou por esbarrar, finalmente, num comentário dela! Tudo assim se cumpriria, que consagração maior para a razão de tudo aquilo não haveria já de lhe calhar mais. Mas não, não quisera o destino premiar-lhe a diligência daquele propósito e ao invés, acabava assim por troçar dessa sua insolação da alma. Porque essas singelas palavras que tanto ansiara colher no seu blogue, afinal, foram por ele encontradas noutro, e por isso fazendo-se de outro o comentário que ela deixara. E nada mais lhe restou então, naquele dia – ainda que por defunção dos seus propósitos – que dar o blogue por cumprido e dele resguardar a sua chave.

Anúncios

3 responses to “propósitos e intenções, só enquanto o acaso dorme

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: