Monthly Archives: Agosto 2011

para que servem as palavras

Se nem aos homens que agora me moram por dentro
se nem a esses assim tão perto,
têm destreza para me juntar

Bastaria um intervalo morno de fim da tarde, porque não
e ali, ali umas cervejas, a molharem a galhofa
e claro, imensos risos a cruzarem o alvoroço de sempre
e imensas conversas
imensos futuros.

E depois, nós, tantos, nós já tantos
um clarão intenso dos homens que ainda vamos ser,
em abraços de olhos quentes, de olhos de sempre
a despedir-nos de novo,
antes de partirmos mais outra vez.


(porque são sempre tão bonitos os dias em que as minhas pessoas partem?)

Anúncios

%d bloggers like this: