das imprevidentes artes da culinária

Pode-se chegar a uma casa grande e não encontrar ninguém. Há a música, uma garrafa de vinho que ficará por meio, há a escrita, o que for, há tanta coisa com que podemos brindar a nossa solidão. Mas o que eu nunca conseguirei superar é ter de comer a minha feijoada a sós.

Anúncios

3 responses to “das imprevidentes artes da culinária

  • Luísa

    Não se supera, mas re-aprende-se a comer… que é como quem diz, a darmos a nós mesmos. Ou simplesmente, a viver (o momento?).

    Gostar


  • Pois lá está. De qualquer forma, apenas no imaginário que escreve este blog é que a feijoada se comeu sózinha. No resto (não imaginado), apenas a lamentar que tão enfartado prato tenha sido por mim escolhido para jantar, desafiando as (algumas) enfraquecidas capacidades digestivas.
    De qualquer forma … yogurtes e bolachinhas à noite, nunca!

    Gostar

  • Luísa

    Lá está, pois! Nem oito nem oitenta… (re)aprender a comer, numa adaptação de acordo com as capacidades (reais e imaginativas).

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: