do tempo dos pirolitos

 

Descia a rua em passo lento e velho a tocar a campainha, num tilintar débil e longínquo que com a aproximação se haveria de tornar súbita e excitantemente perceptível. Num instante, brotávamos de todo o lado: do cimo dos muros onde matávamos as tardes sentados em conversetas, arribando com estrondo de portas de dentro das moradias, outros florindo por milagre do meio das sebes desmascarando esconderijos nos jogos da ‘apanhada’. Súbito, um enxame de miúdos, afluindo dos mais insuspeitáveis lugares e brincadeiras por onde nos espalhávamos ao longo da tarde, amontoava-se ao redor do triciclo de onde iam saltando os pirolitos. Nada mais do que açúcar caramelizado de modo caseiro e depois derramado em cones de papel que no final chupávamos até não serem mais que uma pasta amolecida. Mas a diligente velhota, fazendo pela vida, diversificava nas receitas caseiras, e outro dos regalos que nos trazia, para além das pastilhas gorila e das gomas, eram as bolachas de baunilha esmagadas em saquinhos de plástico que revirávamos na boca.

Nessa altura não havia ASAE, o tempo era mais demorado e o mundo era feito de coisas importantes, como aquela hora do dia em que tilintava a campainha da bicicleta transformada em triciclo de rebuçados e saquinhos de bolacha esmagada.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: