Monthly Archives: Abril 2015

do improviso da idade

Quando nós crescemos, as coisas novas surpreendem-nos menos e algumas coisas velhas vão ficando esquecidas. Por isso nós gostamos cada vez mais das coisas que temos. Mas isso já tu sabes.

Quando nós crescemos, as coisas crescem connosco e cada dia passam a fazer mais parte de nós. Por isso os nossos amigos são cada vez mais os nossos amigos. Mas isso já tu sabes.

Quando nós crescemos, por vezes acordamos com nuvens. Depois sentimos que isso é porque estamos um pouco mais perto de algo e isso torna-nos ainda mais orgulhosos do que já andámos até aqui. Mas isso já tu sabes.

Quando nós crescemos, somos mais descrentes e positivos, mais eufóricos e apáticos e vamos vivendo num estado de maior alternação, copiando a vida. Mas isso porque sentimos que lidamos com mais do que já somos. Mas isso já tu sabes.

Quando nós crescemos, olhamos para o que fizemos e às vezes pensamos que não fizemos tudo. Então deitamos a cabeça no colo de alguém, a costurar o tempo, não desistidos mas sem que nada mais importe … Do que aquilo que tu já sabes


das palavras naufragadas

Quando brancos matavam pretos eram racistas, pois eram. Quando pretos matam pretos, são agora xenófobos. Há um século quando um barco naufragou com 1.500 membros da elite social foi uma catástrofe tão grande que ainda hoje é persistentemente recordada. Nos últimos 15 meses morreram nas águas do mediterrâneo 4.500 pessoas, aquilata-se agora. Depois far-se-ão umas cimeiras e deixará de haver o antes e o depois dessas famílias inteiras que continuarão a afogar-se silenciosamente nessa quimera de um futuro impossível.

Malditas palavras. Tirem-lhes a culatra.


%d bloggers like this: