da escrita mortal

Da minha viagem pelos blogues, que dura para mais de 12 anos, já poucos paradeiros conservo. Durante muito tempo foram breves rotinas na inauguração de todas as manhãs. Enquanto, no alvoroçado tráfego, alguns iam pousando de semáforo em semáforo, eu, livre disso, para alcançar o trabalho, pausava de blogue em blogue.

Mas hoje já não. Cansei-me, os blogues cansaram-se, muitos despareceram, acabámo-nos mutuamente. A minha lista de favoritos, por onde saltitava e de onde provinha a maior fatia da minha leitura dessa altura, resume-se hoje a visitas esporádicas a não mais de meia dúzia de blogues. Sei que nunca me libertarei desse impulso, esse clique de curiosidade que me leva ocasionalmente a revisitar um ou outro, mas já quase nunca repito esse hábito de forma consistente, que acabou assim por se transformar em espaçados impulsos, meio involuntários, meio erráticos.

É no entanto um clique de mãos que sei que nunca me abandonará. Descobri nesta experiência que gosto da escrita anónima, aberta, não condicionada à exposição do seu autor ou a um propósito ou argumento de fundo. Uma escrita livre que não encontro em mais nenhum lugar quando a consumo na forma publicada, seja em livros, brochuras publicitárias ou notícias. E nestes incluo também os blogues com missões informativas ou políticas porque esses, hoje, estão mais do lado dos ‘instrumentos media’ do que dos projectos de escrita pessoal que eu ainda reconheço e que aqui destaco.

Os blogues (esses que não os instrumentos media que acima refiro, esses que são os ‘meus blogues’) acomodam a liberdade da escrita pública: todos os podem escrever e todos os podem ler. Por isso muitas vezes são vulgares e carrascos da arte da escrita. Conciliar a multitude e a qualidade, simultaneamente, como em tudo, também na escrita é algo improvável. Mas, e porque são imensos, há-os de todas as naturezas, o que inclui também aqueles que contradizem qualquer juízo ou consideração que sobre os mesmos, de uma forma global, se queira arriscar.

E aqui chegamos ao que aqui me prendeu, nisto dos blogues e ao que aqui me fará voltar sempre, ainda que esparsamente: ‘esses’ blogues! São poucos já os que visito e são poucas as vezes em que o faço, como já disse, mas quando calha mergulhar num deles volto a recuperar a sensação deliciosa desta leitura invulgar. É um prazer poder ler boas palavras, às vezes lavradas com uma originalidade surpreendente e um cuidado irrepreensível, num momento avulso que alguém desconhecido, do íntimo da sua vida, se dispõe partilhar connosco. Raramente há nisso propósitos e significados, que não outros do que aqueles que o autor, provavelmente de forma impulsiva, deixou correr. E essa escrita em liberdade que anda por aí, quase apócrifa, quando se pincela com o dom do bem escrever, será sempre um momento de deleite que dificilmente encontrarei noutra forma de leitura.

Há uns dias atrás andei a procurar “A Memória Inventada(já sem link), para mim um dos melhores blogues de sempre, escrito genialmente, pejado de descrições que me traziam também, de uma forma deliciosa, as memórias da minha juventude, já que estas também comuns às do autor. Desaparecido! Hoje, quase por acaso, passei pelo “Ana de Amsterdam(ainda com link) e andei a desembrulhar leituras, e a deleitar-me com algumas delas. Aparentemente este ainda existe e até ele ainda vou encontrando o caminho, mesmo que incidentalmente. E outros, ainda que escassos, também. Ainda.  Como é possível que o mesmo espaço (a blogosfera) que estimula e nos presenteia com peças extraordinárias de literatura, de um dia para o outro as impluda, sem que uma vírgula sequer tenha sobrevivido de um texto que nos maravilhou, sem um sinal deixado sobre o seu novo paradeiro, sem nada mais que não um banner comercial a informar-nos sobre os melhores comprimidos para o tesão?!

Se calhar é isso que também me encanta, essa fragilidade dos blogues, a mortalidade da sua escrita. O mesmo ímpeto que leva alguém a partilhá-la connosco, de forma espontânea e por vezes tão íntima, é o mesmo que o condena à sua efemeridade. Como se fosse uma janela distraidamente deixada aberta, por onde podemos ir dando uma espreitadela para um lugar de alguém, até que um dia a encontramos fechada. Como se um blogue, porque um dia morre, fosse por isso uma pequena peça de vida. Se calhar é essa sua condição humana, emanada do seu autor, que tanto o distingue da altiva escrita grafada, algures desmaiada na prateleira de uma estante empoeirada.

Anúncios

6 responses to “da escrita mortal

  • Luis Rodrigues

    Não são só os blogues que morrem, é o que lá se escreve. O que publica hoje, amanhã já ninguém lê.

    Por isso mesmo o meu primeiro blogue se chamava Escrito na areia. Nome copiado das crónicas do Augusto Abelaira num jornal que já não me lembro.

    A ideia dele é que escrever num jornal é como escrever na areia. Dura até à próxima onda.

    Os blogues são iguais. Datados como as edições de um jornal.

    Gostar


  • Não posso concordar consigo. O prelo faz toda a diferença! Há um suporte material que o torna mais perene, mesmo que isso seja uma ilusão. E essa ilusão de perenidade faz toda a diferença no que e como se escreve.
    Depois há a porta de entrada: só alguns escrevem nos jornais e nisso têm a sua escrita contratualizada, mesmo que o neguem. Há um tipo de escrita que não sai todas as semanas, para cumprir calendários, sai apenas quando ganhar vontade própria. Nos blogues a porta de entrada está aberta a todos, e o que nele fazem não obedece a compromissos com a obra, o projecto ou o contratante.
    E tudo isso, como disse, para mim, faz uma radical diferença.

    Gostar

    • Luis Rodrigues

      Sim, concordo que blogues e jornais não sejam iguais. Estava antes a ir pela diferença entre os livros e os jornais.

      Um livro demora a ler e no fim guarda-se. E mais tarde, por vezes torna-se a pegar nele para reler.

      Um jornal é para ler distraidamente enquanto se bebe um café e no final deita-se fora. É claro que há excepções mas o normal para o que se escreve num jornal é ser lido e deitado fora.

      Tanto assim que para salvar do esquecimento o que se escreve nos jornais, se fazem os livros de crónicas escritas no jornal x.

      E é só nesse aspecto que acho que os blogues e os jornais são semelhantes. Quem lê blogues lê a edição/post do dia. Tal como num jornal.
      Raros são o que vão ler o que se publicou no dia 5 de Outubro de 2009. Tal como num jornal.

      Gostar

  • jpt

    Escrever na Água, no “O Jornal”, o Abelaira era um excelente cronista

    Gostar

    • Luis Rodrigues

      É isso mesmo! Onde fui eu buscar o Escrito na areia? Guardo saudades do Jornal e do Abelaira.
      Por decisão não leio jornais desde há muito, por isso não posso dizer com certeza e não quero cair na esparrela do “no meu tempo é que era bom”, mas não creio que se encontrem tantos cronistas a escrever nos jornais com aquela qualidade.

      Guardei duma crónica da Agustina no Jornal de Noticias (salvo erro de memória :)
      ‘Novo Ano, mas não nova vida. Quem pensa em ser mais crédulo, se tem medo de ser enganado? Se o mundo é de enganos, por que não deixar que nos façam pirraças e troças? Ninguém quer ser parvo, e é pior: porque para não ser enganado, desonra-se como pessoa de lisura e sinceridade. Há mais cobardes em ser iludidos, do que em ir para a guerra. Quando os simples são afinal os mais poderosos e quem cede, ganha.’

      Gostar

  • Hélder Oliveira

    Eu descobri isto do blog à pouco tempo e até estou a gostar…

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s